Archive for the liberalização Category

perguntar a quem de direito

Posted in coisas que interessam e tal, liberalização on 01/08/2010 by drmaybe

Tenho uma opinião formada sobre a questão da proibição da burqa e do niqab em diversos países Europeus. Já aqui escrevi sobre o assunto e no entanto receio que não tenha sido claro sobre um ponto: acho o uso destas indumentárias antiquado e de alguma forma limitativo na participação da mulher na sociedade, seja este uso imposto ou não.

Tenho uma colega de trabalho muçulmana e que usa o hijab (sem rosto coberto). Com o seu consentimento tentarei relatar a minha conversa sobre a questão da proibição.

Perguntei a N., que é de origem Muhadjir e mora em Londres, qual a sua opinião sobre a proibição da burqa e niqab em diversos países ou regiões da Europa. Respondeu de imediato que por razões óbvias (não usa o véu integral) não seria a melhor pessoa a quem perguntar. De seguida referiu que tinha várias amigas que usam alguma forma de véu integral e que o faziam em plena consciência e por opção individual. Naturalmente e no decorrer da conversa houve alguma exaltação da parte de N., não comigo em particular dado que lhe expliquei qual a minha posição e as razões porque lhe perguntava, em particular discussões que já tinha tido com o Carlos Esperança, mas por sentir o desconhecimento intercultural e pela dificuldade de no ocidente se compreender outras formas de vida.

N. falou-me também nas linhas paralelas em que correm cultura e religião, nas razões porque uma mulher muçulmana opta por usar indumentária que cobre o rosto  – em geral a forma como entende a religiosidade e/ou o guardar da sua beleza para o seu marido.

No essencial do que N. me falou foi de liberdade individual e religiosa, direitos que tomamos por adquiridos na Europa e cuja violação tanto criticamos noutras regiões do mundo.

Anúncios

assumir a natureza humana

Posted in coisas que interessam e tal, liberalização on 09/05/2009 by drmaybe

Foi-me solicitado por várias formas que assinasse uma petição com vista à legalização do consumo de canabis.

Não sei até que ponto as petições online têm força legal, o Jorge C. poder-me-á ajudar nisto, mas suporia que os números de consumidores fosse suficiente para levantar a questão e debatê-la com pragmatismo. Já foi na Holanda e Suíça e agora o governador da Califórnia, o Republicano Shwarznegger, propõe o debate também com base em pressupostos economicistas.

É altura de refletir e dizer que é da natureza humana a alteração do estado, seja com alcool, canabinóides ou qualquer outra droga extraída de plantas ou sintetizada em laboratório. É altura de pensar se a socialiação do consumo não ajuda a evitar casos trágicos de dependências, se não estamos de facto no nosso direito de alterar os nossos estados de espírito químicamente e com o produto com que se adequa a nós e à maneira de ser  de cada um de nós. Se a regulação e fiscalização do consumo não quebrarão impérios financeiros sem controlo nenhum e que interferem nas decisões políticas de quem tem de se submeter ao seu poderio.

Uso um nickname, mas quem me conhece sabe que o diria escrevendo com o meu nome legal: uso drogas diversas há mais de 20 anos, sem nunca ter tido problemas de maior, sem nunca ter tido uma adição e creio que os meios sociais com que me  rodeei ao longo dos meus anos de consumo também me ajudarm a saber fazer uso de estupefacientes. É de resto o que fizeram os meus pais comigo relativamente ao alcool.